Rival do TikTok chega ao Brasil

O objetivo da Kwai é transformar o país no principal mercado fora da China

Rival do TikTok chega ao Brasil Rival do TikTok chega ao Brasil

Aplicativos de vídeos curtos atraem cada vez mais o público jovem e podem se tornar a principal forma de chamar a atenção de usuários na internet. No Brasil, a chegada do aplicativo Kwai acirra ainda mais a disputa com o seu principal rival, o também chinês TikTok – que abriu um escritório em terras brasileiras no início deste ano.

No país, a Kwai já possui uma base de sete milhões de usuários ativos diariamente e no mundo, o número sobe para 200 milhões de usuários diários. A diretora de operações globais da companhia, Yumi Wu, revelou em entrevista ao Estadão, que o objetivo é transformar o Brasil no principal mercado fora da China. “É um país com população grande, interessada em redes sociais, em um mercado com muitas oportunidades”, disse. 

O Brasil também é o primeiro país a ganhar uma versão localizada do aplicativo, segundo a companhia. A Kwai já inaugurou um escritório em solo verde e amarelo e está contratando funcionários. Embora a companhia não confirme de maneira oficial, há pelo menos quatro vagas abertas na rede social profissional LinkedIn. “Queremos crescer rápido, o que dificulta fazer estimativas até para o curto prazo”, diz Wu. 

A empresa conta com escritórios Malásia, na Índia e na Coreia do Sul, além da China. Nestes locais, o aplicativo reproduz apenas o sistema que já é usado na China.

Para iniciar com tudo sua operação brasileira, a Kwai chamou Whindersson Nunes e outros influenciadores digitais brasileiros. “No Brasil, percebemos que as pessoas gostam de vídeos engraçados ou musicais, enquanto na China é mais comum vídeos que documentam a rotina”, explica Wu. 

Outra estratégia da empresa para conquistar espaço por aqui é aproveitar outro nome conhecido dos brasileiros: o WhatsApp. O aplicativo de vídeos curtos permite que os conteúdos criados nele sejam compartilhados em outras plataformas, e o aplicativo de mensagens instantâneas do Facebook é visto como aliado. “Na China, os usuários compartilham conteúdo dentro do Kwai, mas também usam outras redes sociais de sucesso, como o WeChat”, comenta a executiva.

Fonte: Estadão Conteúdo. Foto: Divulgação.