Home » Blog » Anatel consulta os brasileiros sobre regras para Internet das Coisas

Anatel consulta os brasileiros sobre regras para Internet das Coisas

É possível enviar a contribuição por mais 43 dias

Anatel consulta os brasileiros sobre regras para Internet das Coisas Anatel consulta os brasileiros sobre regras para Internet das Coisas

Divulgada no Diário Oficial da União pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) na segunda-feira, dia 5, a consulta pública está aberta pelos próximos 43 dias. Comentários e sugestões sobre regras para a expansão da chamada Internet das Coisas no país serão examinados pela agência e ficarão públicas no site da Biblioteca da agência. 

No portal também será possível consultar a proposta original do governo para a regulamentação dessas tecnologias.

De acordo com a Anatel, as contribuições, fundamentadas e identificadas, devem ser encaminhadas via formulário eletrônico do Sistema Interativo de Acompanhamento de Consulta Pública (SACP). Há, ainda, a possibilidade de enviar enviar carta, fax ou correspondência eletrônica. Nestes últimos casos, o texto deve ser encaminhado à Superintendência de Planejamento e Regulamentação da agência reguladora, destacando CONSULTA PÚBLICA Nº 39, DE 2 DE AGOSTO DE 2019, endereçado ao Setor de Autarquias Sul – SAUS – Quadra 6, Bloco F, Térreo – Biblioteca, CEP: 70070-940 – Brasília/DF. Para e-mail, as manifestações devem ser encaminhadas para biblioteca@anatel.gov.br.

No final de julho, o governo federal publicou o Plano Nacional de Internet das Coisas, no qual definiu uma série de objetivos para o fomento a esse tipo de tecnologia no país. No texto foram apontadas áreas prioritárias, criando, desta forma, um órgão consultivo formado por diversos ministérios para avaliar a implementação das ferramentas.

O conceito de Internet das Coisas foi definido como “a infraestrutura que integra a prestação de serviços de valor adicionado com capacidades de conexão física ou virtual de coisas com dispositivos baseados em tecnologias da informação e comunicação existentes e nas suas evoluções, com interoperabilidade”.

Fonte: Agência Brasil. Foto: Divulgação.