Home » Blog » Onda de demissões voluntárias mobiliza empresas a buscar soluções para retenção de talentos

Onda de demissões voluntárias mobiliza empresas a buscar soluções para retenção de talentos

De plataformas de medição de clima a gestão do escritório híbrido, HRtechs têm sido grandes aliadas das organizações que não querem perder colaboradores

Onda de demissões voluntárias mobiliza empresas a buscar soluções para retenção de talentos Onda de demissões voluntárias mobiliza empresas a buscar soluções para retenção de talentos

Depois de países como Estados Unidos, Reino Unido e China, chegou a vez do Brasil passar pelo fenômeno da “Great Resignation”, com grandes números de profissionais pedindo demissão voluntária. Segundo dados recentes do Caged, desde agosto de 2021, a média de pedidos de desligamento vem se mantendo em torno de 500 mil por mês. Em março, esse número bateu o recorde: foram mais de 600 mil pessoas abandonando seu posto de trabalho. 

Preocupadas com a “debandada” de colaboradores, empresas brasileiras têm apostado em parcerias com HRtechs. A Pulses, empresa que tem soluções de clima, engajamento e performance medidos de forma contínua, foi uma das organizações que viu seu negócio expandir com a pandemia. Em 2021, a scale-up triplicou as vendas, alcançou mais de 600 mil colaboradores na plataforma e chegou a aumentar em sete vezes o número de cadastrados na ferramenta. O faturamento também disparou: a empresa registrou R$ 10 milhões em receita anual recorrente.

“No último ano, nós triplicamos o número de respondentes na nossa base de usuários – atualmente de 620 mil colaboradores – o que nos permite conhecer os anseios no mercado de trabalho brasileiro através de uma metodologia pioneira de gestão de pessoas. Hoje, mais pessoas estão sendo ouvidas continuamente e, por consequência, há maior impacto no clima e engajamento das empresas, o que explica nossa rápida ascensão no mercado e o futuro promissor do nosso negócio“, comenta o CEO da Pulses, Cesar Nanci.

Através de pesquisas semanais e um algoritmo avançado, a empresa consegue coletar dados preciosos para RH e gestores, incluindo a predição da demissão voluntária. Assim, as lideranças conseguem agir de forma mais rápida e eficaz sobre os problemas que realmente estão causando a falta de engajamento e a vontade de sair da organização.

“A pandemia trouxe ainda mais instabilidade e incertezas para um mundo que já estava extremamente instável. Por isso essa necessidade de digitalizar ainda mais o RH, buscando ferramentas para aumentar o nosso grau de previsibilidade. A lógica agora é entender comportamentos passados para ‘prever’ o futuro”, destaca Nanci. A ferramenta já conquistou clientes como Grupo Pão de Açúcar, iFood, C&A e Lojas Americanas.

A Deskbee é outra HRtech que cresceu ao longo da pandemia em 2021, o aumento da base de clientes foi de 700%. A startup já passou de 350 clientes corporativos, incluindo os escritórios brasileiros de organizações globais, como WarnerMedia, Heineken, Renault e Deutsche Bank, e unicórnios como Nubank, iFood, Loggi, Quinto Andar, Linx, Stone e Loft. Nos quatro primeiros meses de 2022, a plataforma somou mais de um milhão de acessos, número que supera o total de visitas registradas ao longo de todo o ano passado.

Concorrência mundial – No setor de tecnologia, contratar e reter talentos é ainda mais desafiador. A escassez de mão de obra, frente a alta demanda, faz com que sejam os profissionais a escolherem em qual empresa querem trabalhar e, com isso, as companhias precisam estar preparadas e se adaptarem às mudanças. Essa corrida por desenvolvedores impulsionou o crescimento da GeekHunter, startup de recrutamento de profissionais de TI, que viu o negócio triplicar de tamanho nos últimos anos. Em 2021, a organização registrou mais de 210% de aumento no faturamento, dobrou o número de profissionais cadastrados – atualmente com 200 mil – e hoje tem mais de 10 mil clientes contratando por meio da plataforma, como Amazon, B2W, Accenture, Capgemini, Locaweb, IBM, Zup Innovation e NTT Data. Este ano, a empresa também está expandindo a atuação para o exterior para conectar candidatos da América Latina com oportunidades de países como Estados Unidos e Canadá.

 

PODCAST

Minha Jornada: Pedro Valério e o case do Instituto Caldeira